Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘lixo extraordinário’

[…] O meu amor ficou na sua bolsa, ouça…

Ela levou e virou madrugada, ladra…

Alguns mistérios se resolvem quando escurece.
Algumas portas se abrem quando se desiste de abrí-las.
Alguns grilhões se soltam quando paramos de tentar fugir.
A saída e a entrada são a mesma porta,
só muda o movimento.

O que faz sentido nem sempre é o que é.
E o que é nem sempre faz sentido.

Existe um mistério e um encanto nas contradições que se combinam
e nos caminhos tortuosos que nos levam
aonde tem que ir.

(as coisas) são como são. São como somos. Como temos que ser…

Read Full Post »

O meu querido Lixo Extraordinário (alô Batone, alô Gabí! Saudades!!!) foi citado (de novo) no blogue Remixtures do companheiro Miguel Caetano. Sem enrolar muito, lá vai um trecho da matéria:

“[…] vale bem a pena escutar com atenção o auto-intitulado álbum de estreia do grupo. Na verdade, o disco representa a súmula de um processo de evolução criativa ocorrido ao longo de mais uma década do que propriamente uma estreia. A maturidade dos Lixo Extraordinário fica bem patente quando ouvimos as 13 faixas que compõem o registo. Não só a produção musical de Júlio Anizelli e os arranjos de Mizão são “Extraordinários”, como as letras de Batone são bastante inteligentes. Existe uma sinceridade profunda por entre aquelas palavras que transpira energia, raiva, sarcasmo e dedicação.

Em termos musicais, o projecto insere-se na linhagem de alguns dos maiores grupos de música Pop brasileira, embora acrescente certos ingredientes que dão um “sabor” muito característico à mistura: um pouco de samba, Rock, tango, baladas, etc.”

A galera do Lixo Extraordinário merece todos estes elogios, e muito mais. Não perco uma chance sequer de dizer o quanto os acho extraordinários.

Quero ver quando é que vamos conseguir trazê-los para tocar aqui na cidade seca de Brasília. Em breve, espero!

Read Full Post »

Enquanto entrava ontem no metrô, prestando atenção no espaço entre o vão trem e a plataforma, me toquei de que sempre que ouvir Lixo Extraordinário vou me lembrar dos melhores dias que passei aqui no Rio junto com o Valdir Batone e a Gabi Andrade. Se aprendí alguma coisa sobre esta cidade, foram eles e a prosa de Rubem Fonseca que me ensinaram.


Eles são o rock and roll
onde eu sou apenas
palavras silenciosas.

E por falar em Lixo Extraordinário, já está no youtube um clip bem bacana para “Rosa dos Ventres” (uma canção que embala no mínimo dois de meus casais prediletos, se não três). O clip está colado abaixo.

Bacana, né? Minha visão — meu olhar sobre esta música — difere um pouco do olhar de Edu Reginato, autor do clip. Mas esta é a parte boa da cultura livre: se eu tenho outro olhar, resta-me fazer outro clipe para a música. Todos os olhares são possíveis e permitidos, conquanto que a gente saiba respeitar o olhar do outro, e o nosso próprio.

Um abraço pro Batone, pra Gabi, pro Edu que ainda não conheci, e para todo mundo que entende a rocha e o veludo do Rock and Roll.

E obrigado por tudo.

Read Full Post »

Enquanto entrava ontem no metrô, prestando atenção no espaço entre o vão trem e a plataforma, me toquei de que sempre que ouvir Lixo Extraordinário vou me lembrar dos melhores dias que passei aqui no Rio junto com o Valdir Batone e a Gabi Andrade. Se aprendí alguma coisa sobre esta cidade, foram eles e a prosa de Rubem Fonseca que me ensinaram.


Eles são o rock and roll
onde eu sou apenas
palavras silenciosas.

E por falar em Lixo Extraordinário, já está no youtube um clip bem bacana para “Rosa dos Ventres” (uma canção que embala no mínimo dois de meus casais prediletos, se não três). O clip está colado abaixo.

Bacana, né? Minha visão — meu olhar sobre esta música — difere um pouco do olhar de Edu Reginato, autor do clip. Mas esta é a parte boa da cultura livre: se eu tenho outro olhar, resta-me fazer outro clipe para a música. Todos os olhares são possíveis e permitidos, conquanto que a gente saiba respeitar o olhar do outro, e o nosso próprio.

Um abraço pro Batone, pra Gabi, pro Edu que ainda não conheci, e para todo mundo que entende a rocha e o veludo do Rock and Roll.

E obrigado por tudo.

Read Full Post »

Se você ainda não conhece o Lixo Extraordinário, agora tem mais uma chance. O muito bacaninha blog musicoteca, que divulga “música com princípio”, acaba de disponibilizar também o primeiro album da banda (que já estava disponível há muito tempo também no site novo do L.E.)

Não tem desculpa. Vai , ou , e escuta. Não é por pouco que o Lixo Extraordinário é uma das minhas bandas prediletas na atualidade do mercado rock pop alternativo nacional.

Read Full Post »

O excelente projeto/banda Lixo Extraordinário de Valdir Batone e extraordinária companhia está de site novo. Se o antigo já era bacana, permitindo o dowload de quase todo o primeiro álbum da banda e oferecendo um blog antenado, além de outros mimos para os fãs, o novo ficou ainda mais bonito e agora oferece o album inteiro pronto para “baixar e montar”, além das músicas e das letras em separado.

Para quem ainda não conhece o Lixo Extraordinário, que se tornou uma das minhas bandas prediletas desde que cheguei ao Rio de Janeiro e conheci o Batone e a Gabi, esta é uma excelente chance de conhecer o trabalho dos caras.

Tá esperando o quê? Passa lá e vê, rapá! :)

Read Full Post »

Sacando do bolso um trecho de Trégua, do Lixo Extraordinário:

“(…)Nem na nata, nem na draga
nem na sarjeta
nem pose, nem passeata
que eu sei toda a reza
a tua arte combate ou só faz show?(…)”

Read Full Post »

“Conversando ontem com o Valdir Batone e com a Gabi Andrade, participantes da conversa sobre o Manual de Auto-Publicação na Rede para Músicos Independentes que está rolando no Fórum de Conversas do Overmundo, integrantes do excelente projeto musical independente Lixo Extraordinário e, como prefiro chamá-los, meus novos amigos, senti que a idéia de escrever um Manual de Auto-Publicação para Músicos e Músicas Independentes é não apenas possível, mas também uma necessidade deste momento. Sim, este é o momento! Várias bandas e musicistas, assim como vários artistas de várias mídias, já estão descobrindo não apenas que as mídias tradicionais não mais representam a realidade da cena artística em que estão inseridos (“cenas artísticas se criam, se inventam”, diria o Valdir) como também que é possíver criar vias alternativas, mais verdadeiras e democráticas, para a difusão e discussão de seu trabalho.”

(leia o resto do meu texto lá no Overblog do Overmundo)

Read Full Post »

Depois de uma conversa que começou aqui, e desembocou aqui, começamos a pensar na possibilidade de se escrever um Manual de Auto-Publicação na Rede para Músicos e Músicas Independentes. A pergunta não é apenas se rola de se escrever este manual, mas também como ele deve ser, o quê ele deve conter e principalmente quem está disposto a meter a mão na massa para fazer esse trampo.

Eu estou dentro, naturalmente. Quem mais vem junto? Basta se agregar no papo que está rolando lá no Overmundo, ou dar algum outro tipo de sinal de vida. O Valdir Batone, cara batuta, já está divulgando o papo também no site de sua banda (igualmente bacana) Lixo Extraordinário. Em homenagem a isso, a foto que ilustra o post (que é da autoria de Gabriela de Andrade) foi também retirada do site deles.

Muito mais me interessa fazer o que é bom e bacana do que discutir o que é ruim.

Read Full Post »

Por falar em Os Seminovos, o Miguel Caetano do excelente blog Remixtures da blogosfera d’além mar (que fala sobre Cultura Livre, P2P, remix e colaboração) fez um post bem bacana falando da banda Zémaria (do Espírito Santo), e também comentando sobre o Mombojó e Os Seminovos — todos do primeiro time da música independente auto-publicada na internet no Brasil. Deixei lá um comentário dando a ele o toque sobre o pessoal do Lixo Extraordinário e do Supercordas (e pedindo ‘por favorzinho’ para que ele não embarque na comparação não muito inspirada entre Os Seminovos e os Mamonas Assassinas, uma banda que cá entre nós era o ó do borogodó comercialesco).

Foi então que me toquei que isso é só a ponta do iceberg. Dá pra sentir que agora é o momento em que vai estourar (ainda bem) a prática da auto-publicação por parte das bandas independentes (sejam de rock, pop, metal, tecnobrega ou o escambau) na rede brasileira (e na portuguesa também). Sentindo o cheiro do momento, acho que é hora de surgir um manualzinho (ou muitos) de autopublicação para bandas independentes. Já falei pra mim mesmo (e pro meu irmão, e pro povo do overmundo) que pretendia me meter a escrever um manual desses, mas até agora estou só enrolando…

Vou ver se amanhã tomo coragem de meter a cara em começar a organizar isso.

p.s. por falar em Cultura Livre, existe um excelente texto sobre Cultura Livre e “Open Business Models escrito pela Oona Castro (e cujo link não consegui enfiar no post por puro macarronismo redatorial).

UPDATE:

No blogue do Miguel Caetano há também uma lista das netlabels brasileiras e portuguesas (além de uma pá de blogadas legais sobre o assunto). Fiquei surpreso ao saber que já são tantas, e que já estão fazendo trampos tão legais. Viva a cultura livre! Viva a música e a arte independente! E agora, neste momento, viva a minha cama!

Read Full Post »